A carta dos idiotas úteis.

A carta dos idiotas úteis.

Anda por aí a circular uma carta de uns católicos a ralhar com o Patriarca de Lisboa e o Bispo de Aveiro por terem a ousadia de defender a liberdade educação.

Os signatários são os idiotas úteis de sempre, que em qualquer debate público aparecem a atacar a posição da Igreja, possibilitando aos media fazer parangonas como “católicos a favor do aborto”, “católicos a favor da ordenação das mulheres” ou “católicos a favor da educação para a cidadania”. De facto, parece que estas pessoas só usam o título de católicos para que os seus ataques à Igreja tenham alguma relevância.

Felizmente são cada vez menos, uma vez que tendo todos ficado congelados em 68, a grupeta dos católico contra o catolicismo tem vindo a diminuir com a marcha inexorável do tempo. Por isso é que o único tema onde ficam calados é a eutanásia: ao contrário do aborto e da educação sexual, a eutanásia ainda lhes pode tocar!

Para este grupinho a Doutrina Católica pode e deve ser desprezada, já a Doutrina da 5 de Outubro deve ser obrigatória para todas as crianças. Não sabemos se acreditam realmente no que a Igreja ensina, mas sabemos que crêem com fervor no catecismo de Simone de Beauvoir.

E como bons progressistas que são, este grupo de resistentes (ao tempo), são incapazes de lidar com a liberdade de quem deles discorda. Não suportam que existam pais que fazem questão de educar os seus filhos. Não são capazes de começar a imaginar uma cidadania que vai para além dos estreitos limites da sua imaginação formatada pelo marxismo dos anos 60.

Felizmente existem bispos livres como o Patriarca de Lisboa e como o  bispo de Aveiro. Homens que defendem a liberdade do seu rebanho em educar os seus filhos longe dos devaneios dos órfãos de 68 e dos Torquemadas da 5 de Outubro. Bispos que não se sujeitam ao poder.

Não, os nossos bispos não estão ser instrumentalizados pela Direita. Simplesmente não se deixam instrumentalizar pela esquerda, como sonham estes “católicos”.

Contudo, não deixa de ser impressionante ver como a comunicação social, que raramente dá conta do que os católicos fazem, dê tanta cobertura a um grupinho de católicos, cuja única notoriedade é dizer mal dos bispos. Percebe-se bem quem está a ser instrumentalizado nesta questão. É irónico que quem faz de peão de brega do Ministro da Educação tenha a lata de falar em instrumentalização!

Mas não nos preocupemos, que o povo cristão não se confunde. Sobretudo não se confunde com estes falsos profetas, que se arrogam a porta-vozes de um povo que desconhecem, que apregoam uma fé que não praticam e que falam de uma doutrina que ignoram. E a prova é que eles são sempre os mesmos, há cinquenta anos que são os mesmos, apenas com mais rugas e menos vergonha.